terça-feira, 13 de maio de 2008

Traição (artigo)

Traição é uma palavra estranha. Será que aquele que acusa alguém de ter sido canalha por ter traído o parceiro percebe o duplo erro que está cometendo? Primeiro porque, como o bem-amado Jesus já disse, "atire a primeira pedra quem nunca pecou", embora eu não acredite na tal noção cristã de pecado. E agora o mais importante: não há traição maior do que a traição a si próprio. Quem trai suas próprias vontades sistematicamente vai ficando, pouco a pouco, de saco cheio. Até que pingue a gota d’água. Aquela que derrama todo o líquido que estava no copo. E aí, querido, quem estiver do lado, fatalmente irá se molhar. Ao passo que quem pinga, mas bebe constantemente, nunca deixa transbordar. E o melhor: não morre de sede! Quer coisa melhor do que caminhar de mãos dadas com alguém saciado? Que não te culpa pela própria infelicidade?

Por falar em culpa, eis aí outra questão. Esse papo todo só vale para quem não se deixa corroer pelo sentimento de culpa, claro. É por isso que os homens traem tanto. A sociedade foi sempre tão permissiva com as puladas de cerca masculinas, que os machos não carregam o peso da culpa por alimentarem seus desejos. Que inveja!

Namorar, juntar ou casar com alguém é uma escolha. Significa que o escolhido é melhor do que a "concorrência". Ao invés de se preocupar em descobrir uma chifrada, é melhor investir na relação. Não se acomode. Esteja sempre atento aos sinais que o parceiro manda de que algo não está bem. Até que ponto você está dando conta do recado? Já dizia minha bisavó: "quem não dá assistência, abre a porta para a concorrência". E se for esse seu caso, cabe a questão: será que você realmente quer continuar essa parceria? Viver junto não é mole. Tem que querer. Tem que dar a tal da assistência, em todos os sentidos. E se você fizer isso e não for assistido, meu bem, está na hora de rever seus conceitos. Senão é o seu copo que ainda vai transbordar.

O mesmo ocorre com restrições a comportamentos "dignos de uma mulher ou homem casados". Você tem mesmo que mudar só porque está oficialmente amando alguém? Amar é respeitar e não reprimir. Então quer dizer que a sua namorada não pode mais dançar de maneira sensual porque os outros homens vão achar que ela os está seduzindo? Dane-se eles! Ela gosta de ser sensual. Ela precisa disso para ser feliz. Então o cara não pode tomar o tal chope com os amigos? Como não? De vez em quando é bom tanto ela, quanto ele, saírem sozinhos com os amigos. Ao entrar numa relação amorosa, é preciso ter em mente como era a pessoa que você conheceu antes de namorar. Você gostou dela daquele jeito. Não tente mudá-la. Ela pode até prometer, se esforçar e acreditar piamente que vai conseguir mudar para ficar como o amado deseja, mas a essência da pessoa sempre volta a atacar. Um dia isso vai transbordar e aí salve-se quem puder. Ou você prefere morrer afogado?

2 comentários:

maria helena disse...

Avante! Perseverança! Tenho certeza que vc encontrou seu caminho.Estamos aqui,leitoras ávidas, por seus momentos de inspiração, e que inspiração ...

Anônimo disse...

Traição não é para mim palavra estranha.è forte.Atinge os princípios básicos de uma relação, seja ela qual for- marido/mulher;companheiro/companheira; amigos ou até mesmo contra sí próprio, como vc colocou, o que vai tornando a pessoa descrente . Um perigo.
A traição remonta momentos históricos da humanidade e apesar disso, ainda não nos acostumamos com ela. Nos faz mal, nos agride, nos torna inseguros.