terça-feira, 22 de janeiro de 2013

O amor

O amor é como o ser humano. Nasce pequeno, bebê, bobo, engatinha devagar. Nasce num beijo, num abraço, num simples olhar. De repente, atabalhoado, aprende a andar e sai esbarrando em tudo, feliz da vida  com a descoberta: "como é bom amar, ops, andar!"

Então, ele aprende a ouvir o "não", e ouve isso o tempo todo, até sair da infância da paixão e ser domesticado.  Aí chega a adolescência, fase da revolta. O ser amado, que antes era a mãe ou pai herói, passa a ter milhões de defeitos. Assim, as brigas começam, e muitas vezes não param mais. Quando elas param, o amor pode ter dois destinos: ou acaba, ou continua, e, nesse segundo caso, é obrigado a amadurecer, virar adulto. E até o final da vida ainda tem um longo caminho até se tornar senhor de si.

Nada nasce pronto. Tudo na vida precisa de tempo para evoluir. Pena que grande parte dos amores da sociedade atual não consigam passar da adolescência...

domingo, 13 de janeiro de 2013

Mudança

Tô nessa vibe agora:

Quem não se contenta com pouco e é forte
tem que ser meio louco e não ter medo
de desafiar a sorte.
Precisa arriscar, inventar, acreditar
e não temer a morte.
Precisa ter coragem e iniciativa.
Precisa manter a chama da fé viva, na ativa.
Quem acredita no sonho não dorme, faz.
Quem vive acordado corre atrás.
Porque a vida de ninguém muda,
se a pessoa não mudar.
Então muda e para de reclamar.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

É preciso aprender a ser só

É preciso aprender a ser só. A ficar bem sozinho consigo mesmo. Você pode estar cercado de gente por todos os lados, mas, mesmo assim, se sentir abandonado, porque você se abandonou. Não procure no outro aquilo que só você pode se dar. Ame a si próprio, curta sua própria companhia, aprenda a se divertir consigo mesmo. Quando isso acontecer, naturalmente vai estar cheio de gente querendo te acompanhar também.